Connect with us

Curiosidades

Essa mina de sal na Polônia esconde lagos subterrâneos, capelas e lustres encantadores, veja fotos

Published

on

A mina de sal Wieliczka fica perto da Cracóvia, na Polônia. Aberta no século 13, seus mais de mil metros subterrâneos são considerados Patrimônio Mundial pela Unesco.

O espaço abriga lagos, 2 mil câmaras e capelas equipadas com lustres que parecem retirados de um verdadeiro castelo. Tudo dentro da mina é feito de sal, incluindo altares e estátuas das duas capelas que se encontram entre os corredores, o que confere um toque ainda mais espetacular à construção. Até mesmo os lustres contêm sal de cristal, considerado como a variedade mais pura do mineral.

Durante a idade média, Wieliczka era conhecida como Magnum Sal, sendo a principal fonte de sal da Polônia durante o século 13. O mineral extraído dali era crucial para a economia do país.

Atualmente, se transformou em uma atração turística famosa na região, embora apenas 2% de sua área seja acessível aos turistas. No total, são nove níveis diferentes, com o mais baixo deles a 1.072 metros subterrâneos.

O espaço pode ser visitado das 6h às 20h. Ingressos ficam disponíveis com antecedência através do site da mina, que disponibiliza visitas em inglês e polonês, com preços a partir de 9 zlotys poloneses, cerca de R$ 12.

Também é possível adquirir uma experiência completa, com hospedagem no hotel quatro estrelas Grand Sal, café da manhã, sauna relaxante e uma visita à mina. A extravagância não tem preços tão salgados assim: o custo é de 319 zlotys para uma pessoa (R$ 415) ou 429 zlotys por casal (R$ 560).

De acordo com o Bored Panda, Wieliczka é a quinta maior mina de sal do mundo. E, se isso não fosse motivo suficiente para festa, os poloneses são capazes de encontrar outras razões para celebrar toda a sua beleza.

Na primeira semana de janeiro, a mina costuma receber concertos em homenagem ao ano novo e várias festas acontecem no espaço em outras datas.

Confira mais fotos de Wieliczka

View this post on Instagram

#saltmine #kopalniawieliczka @unesco

A post shared by Kopalnia Soli "Wieliczka" (@wieliczkasaltmine) on

View this post on Instagram

W 1860 roku w Tygodniku Ilustrowanym napisano: Dawniej nie moglibyśmy tego uczynić [czytaj: zwiedzać], bo niegdyś królowie polscy, chcąc górników osłonić od samowolności i nadużyć szlachty, pod karą śmierci i konfiskaty majątku zabraniali komu bądź obcemu wejścia do kopalni wielickiej. Kopalnia Soli “Wieliczka” była atrakcją turystyczną już od XV wieku, ale zwiedzanie należało się tylko wybranym. Za bilet wstępu służyła wówczas zgoda króla udzielana nielicznym szczęśliwcom. ⌛️ 🙂 [ENG⬇] In 1860, Tygodnik Ilustrowany wrote: “In the past, we could not do it [read: visit the mine], because Polish kings, wanting to protect the miners from the arbitrariness and abuse of the nobility, forbade entry to all strangers to the Wieliczka mine, under pain of death and confiscation of property. The “Wieliczka” Salt Mine was already a tourist attraction in the 15th century, but touring was available only to the chosen few. The king's consent, granted to a few fortunate ones, served as an entry ticket. ————————————————————- #kopalniasoliwieliczka #friendofmine #wieliczkasaltmine#travel #engine #steam #steamengine#old #funny #salt#amazing #beautiful #visitpoland#pologne #poland #loves_poland#malopolska #salzwerk #salt #unesco#landscape#worldheritagesite #malopolskatogo#poznajpolske

Advertisement
Advertisement

A post shared by Kopalnia Soli "Wieliczka" (@wieliczkasaltmine) on

Fonte: via

Advertisement
Advertisement

Copyright © 2018 | BBB News | Todos os direitos reservados